24th jul

Festival do Japão

Olá Pessoal! O post de hoje é direcionado ao Festival do Japão, evento que conta este ano com a sua 21ª edição, realizada em São Paulo. Claro que iremos falar de comida, mas lembrando um pouco do nosso propósito aqui, eu sempre gosto de ir neste evento e procurar receitas tradicionais e conhecer coisas novas.

O Festival do Japão é promovido pela Kenren, federação das associações das províncias do Japão no Brasil.

Okay, o que isso quer dizer? As províncias, equivalentes aos nossos estados contam com escritórios e associações para promoção e transmissão de cultura, promoção de eventos, relacionamento com a comunidade e diversas outras atividades.

Então isso quer dizer que existem 47 escritórios para se saber mais sobre o Japão! Dança, cultura, artes marciais, culinária e muito mais!

Este ano celebramos o aniversário de 110 anos da imigração japonesa no Brasil. Do ponto de vista culinário isso é um grande marco, sendo que as familias imigrantes mantiveram seus costumes e receitas através das gerações, difundindo a culinária japonesa pelo país inteiro.

Logicamente pensamos apenas em São Paulo, mas Rio de Janeiro, Paraná e Pará (sim, Pará!), tem grandes comunidades Nikkei (descendentes de japoneses).

Tá, viemos aqui falar de comida certo?

Para quem já foi no Festival do Japão no passado viu que normalmente cada provincia contava com uma barraca para servir receitas. Embora algumas receitas se repitam o legal aqui é sempre procurar as mais diferentes. Pois bem, para fugir do estereótipo moderno de que comida japonesa é apenas sushi/sashimi/lámen ou achar que yakisoba é tradicionalmente japonês, experimentamos algumas comidas, bebidas e sobremesas:

Melon Soda (Tokyo)

Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

Para quem já foi ao Japão ou gosta bastante da culinária, já viu literalmente uma Fanta Melão ou Melon Soda, um refrigerante com um verde quase radioativo sabor melão, algumas vezes servido com uma cobertura de chantily (cream soda). Estranho? Pode ser até, mas lembre que temos o Guaraná Jesus no Brasil! =D

A real é que é algo que remete ao Japão, quase todas as pessoas que conheci que foram para lá tem alguma lembrança deste refrigerante. Junto com esse “refrigerante”, existe também a Ramune Soda, refrigerante popular que ficou famoso pelo formato da garrafa, oferecido também no sabor de melão. Em um país que tem vários sabores de Kit Kat, é sempre legal experimentar essas coisas mais diferentes.

 

Karê Pan (Saitama)

Pão de Curry, Curry-Pan, Curry-Pão, tanto faz: Vamos imaginar o seguinte, aquele karê, cozidão japonês de legumes e carne, dentro de um pãozinho, ok? Agora, FRITE ISSO.
Manjar dos deuses, fritura pesada, uma bomba de sabor e temperos fortes, pode escolher.

Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

Não foi no Festival do Japão? Se você for ne Liberdade, na Itiriki Bakery, logo na saída do metrô Liberdade, você encontra ele quase que diariamente. Também é uma daquelas coisas que ainda não são tão populares no Brasil, mas te convido a comer um despretensiosamente. Eu? Comeria duzias deles, com cerveja gelada ainda.

Yakitori (Miyagi)

Embora alguns conheçam como “espetinho de frango”, o yakitori tem algumas características que nem sempre são seguidas. Gosta de coisas em espetinhos? Procure mais sobre Kushikatsu (串カツ) e Kushiague (串揚げ). O yakitori é sim um tipo de receita de espetinho de frango, normalmente feito no carvão. Okay, pela imagem vc deve estar perguntando: Cara, não tem só frango aí!

Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

De acordo, quando vc procura um lugar especializado em yakitori é comum encontrar vááááárias opções de carne (bovina, suína, aves e até orgãos) e vegetais variados.

O que importa aqui? Tudo feito em espetinhos pequenos, no carvão e com um molho! Sim! Tarê é uma palavra que descreve “molho” para diversas aplicações, normalmente adociado, que carameliza com a o espetinho feito no carvão. Sério, bom demais!

A nossa pedida no Festival do Japão foi de: Abobrinha (é bom, nem pensem em achar estranho), Beringela, Tebasaki (asa de frango), sobrecoxa de frango, lingua suína e coração de frango.

Sakura-Moti (Ishikawa)

Uma característica da culinária japonesa mais tradicional a respeito de doces e sobremesas é que: Nada é muito doce.
Lembrem que estamos falando de uma cultura que aprecia muito o chá (não apenas o verde), portanto o “doce” é para ser apreciado com o chá. Além disso, o açucar branco refinado é um ingrediente pouco usado, se compararmos com outros países. Assim, o Japão faz doces com arroz, feijão, algas (kanten) e conservas.

Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

O Sakura-Moti é uma bela combinação destes itens: A folha da cerejeira, notadamente um ícone cultural japonês, é conservada em sal e usada para “abraçar” uma combinação de moti (arroz típico japonês) e um recheiro de anko (doce de feijão azuki, um tipo curto e vermelho). Okay….ARROZ E FEIJÃO DOCE!? Tá louco!?

Sim. Experimente, só digo isso. E se tiver o chá junto, MELHOR ainda.
Comemos no Festival do Japão, mas você pode encontrar ele na doceria Kanazawa, no bairro da Liberdade.

Ichigo Daifuku (Tokyo)

Okay, mesmo falando que não temos muitas sobremesas tradicionais muito doces, vou falar aqui de um doce que talvez agrade mais o brasileiro “normal”.
Ichigo Daifuku, numa tradução livre, quer dizer “grande sorte de morango” (イチゴ大福), um bolinho de arroz moti recheado, tradicionalmente com o anko, doce de feijão que falamos.
No Festival do Japão, tivemos a chance de comprar uma versão com matchá, o chá verde japonês preparado com leite ninho.

Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

Então, dê uma olhada em outros doces tradicionais, se quiser saber mais sobre os beeem tradicionais, que pessoalmente eu sinto dó de comer de tão lindos, procure mais sobre wagashi (和菓子).
Naturalmente, isso puxa um outro assunto: Chá.
Podemos falar mais sobre isso em outros posts se vocês quiserem.

Gyutan (Miyagi)

Literalmente, (牛タン) língua bovina. De novo, eventualmente, você pode pensar que orgãos não serão sua primeira escolha no hall de comidas diferentes ou até que japoneses realmente tem coisas estranhas. Minha opinião? Como língua bovina desde que nasci. Sim. Minha mãe, nada japonesa, a prepara com um molho DIVINO de cerveja preta e a serve com purê de batatas, super japones né?

Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

Aqui em cima, provamos ela grelhada e feita com missô (pasta de soja fermentada) com bastante alho, simplesmente deliciosa, macia e bem preparada.

Realidade é que poderíamos falar MUITO mais sobre este evento, desde a presença da princesa Mako, até a parte de cultura geek, artes marciais e muito mais. O que esperamos é que com experiências e eventos assim, você tenha um olhar mais curioso e queria descobrir coisas novas. Conhece mais algum festival de cultura e culinária legal para a gente conhecer?

Dá um toque, ou chama a gente para tomar um café, uma cerveja, um qualquer coisa! Até a próxima! Comida Conecta!

Comentários (2)
  • Salve gordinho.
    Tamo junto.
    fiquei com fome depois dessa matéria.
    nói.

  • Opaaa!
    Excelente matéria, muito bem escrita!
    Parabéns mano!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *