8th jun

Anthony Bourdain

Fonte: Mackenzie Stroh para a MONEY

Hello Comida Conecta!
Você já deve ter visto esta nome antes num post passado, mas a realidade é que estamos escrevendo hoje sobre o chefe, escritor e dono de uma mente brilhante, Anthony Bourdain, que faleceu aos 61 anos devido a um suicídio. Okay, começo triste e mórbido, mas viemos falar de uma das pessoas que inspirou a criação deste blog.

As informações sobre a vida dele podem ser encontradas por aí no Google ou Wikipedia, vim escrever hoje sobre a minha experiência com tudo o que ele produziu ao longo da vida. Conheci ele através das séries do Travel and Living (atualmente TLC) e do livro Cozinha Confidencial. Através de um estilo muito característico, direto, ácido e apaixonado por comida e por pessoas, ele escreveu uma série de aventuras na cozinha envolvendo sabores, ingredientes, álcool, sexo, drogas e muito mais. Para qualquer pessoa apaixonada por comida, culinária e cultura, é uma leitura intensa e extremamente interessante. Ele escreveu outros livros e foi co autor de uma HQ junto a DC Comics chamada Get Jiro, infelizmente não li muitos enquanto ele estava vivo, com certeza irei procurar mais títulos.

Minha primeira série foi a Sem Reservas, que contou com diversas temporadas ao redor do mundo, sempre mostrando um lado menos classudo sobre a culinária, mas sem medos ou melindres de provar de tudo, de comida de rua, alta culinária, produtores locais e mostrando sempre os destinos com um olhar raro e sincero. Muitos o acharam metido, esnobe ou agressivo. Agressivo? COM CERTEZA. Mas intenso e profundo, como eu creio que o assunto deva ser abordado.

Em seguida, caminhei para ver a Sem escalas, ou The Layover, que numa tradução livre seria, “Passando o tempo da conexão”. Normalmente menos de 72 horas em um destino com uma rajada de experiências gastronômicas e culturais. Em ambas as séries ele visitou o Brasil, sendo que da primeiríssima vez, minha mãe teve o prazer de vê-lo na Avenida Paulista e gritar em alto e bom som “TONY I LOVE YOU”. Espero sinceramente que ele tenha ouvido ela naquele dia.

Listo aqui as séries para qualquer um que ainda não as tenha visto. Verdade é que poderia ficar horas falando sobre ele e seus programas por que é muita coisa e muita coisa BOA, gravada ao redor do mundo com alguém que foi definido pelo Instituto Smithsonian como o “rock star original do mundo culinário”.

Existe um profundo respeito num cara que foi servido por Thomas Keller com a “delicadeza” de um a creme (custard) de café com uma infusão de tabaco ao lado de um mousse de foie gras. (Keller sempre soube que Bourdain era fumante).

Andrew Zimmermann, outro chef que tem meu respeito e admiração falou “Tony era uma sinfonia. Espero que todos pudessem ter visto tudo dele”. Gordon Ramsay  completou acrescentando que ele “trouxe o mundo a nossas casas e inspirou pessoas a explorar culturas e cidades através da comida”.

Bourdain dividiu uma tigela de macarrão em Hanoi com Barrack Obama, comia ovos de formiga em Puebla, tigelas de Lámen em Tokyo, feijoada em São Paulo e não escondia que comia coisas horríveis, como tubarão fermentado na Islândia. Vivia com um lema: “Cook Free or Die”, cozinhe em liberdade ou morra.

Fonte: Pete Souza – White House, via The Daily Beast
Fonte: Pedro de Toledo de Almeida

Eu mesmo, escrevo isso depois de prestar a minha homenagem a um homem que disse que queria morrer com a boca cheia de porco. Meu almoço de hoje, antecipado foi uma larga porção de torresmo e cerveja gelada. Ele dizia que deveria haver uma religião que idolatrasse o porco e depois de viajar muito ao redor do mundo cunhou uma frase que traduz bem o que sinto sobre o assunto:

“Viajar muda você. Quanto mais você se move ao longo desta vida e deste mundo, você muda as coisas suavemente, você deixa marcas para trás, por menores que sejam. E em troca, a vida – e suas viagens – deixam marcas em você.”

 

Infelizmente é um dia muito triste, mas esperamos que mais pessoas se interessem por comida desta maneira, crua, agressiva, viceral, profunda, tocante e cheia de significados. Realmente Tony, comida CONECTA. Obrigado por ter me levado a outros lugares do mundo, ter conhecido novos significados e ter desperto a curiosidade para novos sabores e lugares.

Comentários (1)
  • Porreta, muito amor e muita conexão.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *