26th abr

Shwarma, Falafel e Culinária Síria

Olá pessoal, estamos de volta!
Hoje vamos falar de duas receitas tradicionais da culinária Síria: Shawarma e Falafel.
Começando pelas origens destas duas receitas antigas, passamos pela região do Oriente Médio /Levante/ Síria Otomana / Grécia. Quanto mais antiga a receita, eu acho mais difícil falar com precisão da onde ela veio e precisamente quando. Estou colocando o termo sírio de maneira arbitrária aqui ok? Não fiquem bravos.

A realidade é que não tenho a menor ideia o que significa Shwarma e Falafel, embora tenha ouvido, respectivamente, que tem significados próximos a “algo girando” e “algo redondo”. Isso posto, vamos ao que interessa:

Shawhat?!

Shawarma é conhecido no Brasil, infelizmente como “Churrasco Grego”. Mas a receita consiste em camadas de carne num espeto vertical giratório que é assado durante bastante tempo, soltando gorduras e conferindo ótimos sabores de temperos típicos. Normalmente, fatias e lascas são cortadas para se montar um “wrap” ou sanduíche enrrolado feito no pão sírio fino. Antes da pegar a carne, este pão é guarnecido com vegetais (pepino, cebola, tomate, hortelã,rabanete, picles, entre outros…) e pastas (iogurte, molho de alho, hommus, tahine, entre outras…). Finalmente, dependendo do lugar, ele pode ser prenssado antes de ser servido. Resultado? Uma comida rápida, extremamente saborosa, não muito pesada e carregada de temperos e história. Maravilhoso. Lembra do Tony Stark/Robert Downey Jr no final do Vingadores?

Falafel

Bolinho frito normalmente feito de grão-de-bico e temperos como alho, salsinha, coentro e cominho. Também tem origens na região que falamos acima e pode ser servido sozinho ou da mesma maneira que o Shwarma, enrrolados no pão sírio (para caber melhor, são cortados ao meio e amassados para o pão poder fechar). Ele vem aparecendo cada vez mais em restaurantes árabes e vegetarianos e apesar de frito por imersão, é bem leve e saboroso. Referência popular?

Agora, você deve estar se perguntando por que raios escolhemos estas duas receitas certo? Viemos falar de Shawarma e Falafel devido a um fato mais complexo e profundo que a própria receita: a Síria.

Sim, este país que você normalmente ouve falar quando se citam problemas de guerra, armas químicas e refugiados. É raro as pessoas se perguntarem como seria ter que fugir do seu próprio país, como seria se mudar a força (ou de maneira desconfortável) para outro país. Fato é que muitas famílias sírias moram no Brasil (vindas de outros movimentos migratórios mais antigos) e outras chegaram há poucos anos. Outro fato é que muitas famílias se mantém financeiramente ativas e culturalmente fiéis às suas origens através da comida. Afinal, esse é o propósito deste site não é?

Eu sou de São Bernardo do Campo, cidade que concentra a segunda maior colônia islâmica do Brasil, perdendo apenas para Foz do Iguaçu. Então, ao invés de nos preocuparmos com diferenças ou preconceitos contra a língua árabe/egípcia/síria ou com religião, sugiro aproveitar a culinária como motivo de conexão autêntica.

Syrian Food

Restaurante muito pequeno que cozinha discretamente ao lado de um posto de gasolina, o Syrian Food atende a comunidade islâmica de São Bernardo do Campo e qualquer curioso ou aficionado por comida Síria. O Mohammad, Moaz, Abdullah e Ahmad (respectivamente محمد, معاذ, عبد الله e احمد), todos em família tocam a cozinha com um semblante sério, mas disposto a oferecer um sorriso para qualquer um que queira conversar. Receitas simples de shwarma, falafel, kibes e esfihas. Autêntico, saboroso, feito na hora. Não dá para errar. Eles servem se você quiser um combo com um pouco de salada de repolho temperada com cominho, canela, curry e umas coisinhas mais.

Halabi

Grudado na Avenida Paulista, o Halabi serve na rua mesmo, com mesas na calçadas.  Tudo feito na hora, sendo que o Shwarma é apenas de carne de frango (bem temperado e macio), que vem com uma porção generosa de molho de alho no enrrolado de pão sírio.

Esfihas, kibes e alguns doces complementam o cardápio, mas vale a pena ir só pelas duas receitas deste post. Caso você conheça o Zaatar (mistura de temperos) e Muhamara (Pasta de Pimentão Vermelho), peça as esfihas. Vale a pena!

Não Sírios

Para terminar, sugerimos o Maoz, que na verdade não tem conexões com a região: ele foi criado na Holanda, em 1991 se expandindo para 5 países atualmente, oferecendo esta receita em um modelo mais “fast food”, mas saudável, fresco e saboroso. Eles são focados apenas em Falafel, o bolinho de grão de bico frito e servido normalmente no pão sírio. Pois bem, o carro chefe é justamente um pão sírio quentinho aberto ao meio com os tais bolinhos. Aí fica ao seu critério rechear com um buffet de opções saudáveis: saladas, conservas, temperos, molhos e o que mais couber no seu “sanduba”. Super leve, rápido no serviço, temperado e diferente.

A unidade do Maoz fica em plena Rua Augusta, colado no metro Consolação. Tá andando? Experimenta. Tá indo pra balada? Experimenta. Tá num final de semana de boas? Experimenta.
A proposta é super simples, valores adequados, espaço bom para se sentar e comer. Acabei pedindo o combo, com suco e batata rustica (o molhinho é de queijo, bom demais).

Espero que tenham gostado! Até a próxima!

Comentários (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *