27th nov

Thanksgiving

Okay, a 1ª coisa que você deve estar se perguntando é por quê Thanksgiving e não Ação de Graças.
O post de hoje será direcionado a um feriado muito comemorado nos Estados Unidos e Canadá mas não tão conhecido aqui (embora seja uma data comemorativa prevista em lei desde 1966).

Deixando a história um pouco mais curta, a data teve origem em uma celebração de colheita e fartura em épocas de colonos norte americanos por idos de 1600, mais concentrados nos estados da região norte da costa leste (as tais das 13 colônias). Desde esta época, a data fixa foi mudada algumas vezes sendo regulada por lei em 1939, dando um viés mais comercial (empurrando mais perto do Natal a data) e ao mesmo tempo mantendo um contexto religioso, já que muitos luteranos, presbíteros, metodistas e outras igrejas celebram a data com oração. Agora…Com certeza você já viu em alguma parte de cultura pop itens como o Peru do Thanksgiving ou até a celebração com os indígenas americanos certo?

Aí que chega o nosso propósito. O jantar de Thanksgiving nos Estados Unidos é normalmente feito com o tal do peru assado, com gravy (um molho engrossado), geléia de cranberry, mashed potatos (purezão com alho e queijo derretido), tortas de batata doce e mais coisas. Nesta ocasião teremos o grande prazer de contar com três pessoas que estão morando nos Estados Unidos há um tempo que eu tenho certeza absoluta que adoram comer e mais uma brasileira que repetiu a ceia aqui mesmo.

O Felipe, para falar a verdade é minha família também, meu primo que casou com a Rebecca e mora atualmente em Watertown, MA. Ambos gostam de comida. Ponto. A Rebecca já esteve várias vezes aqui e é boa de garfo. O Felipe é um cozinheiro de mão cheia e fã dos clássicos italianos. Vamos lá, ele nos deu o privilégio da receita de Peru (nesta solene ocasião apelidado de Dorothea).

Saca só: “A receita envolve uma quantidade animalesca de manteiga com ervas, para ser colocada entre a pele e o peru, para que ao cozinhar tudo fique extremamente macio e com saber. Dentro do peru, durante o cozimento, colocamos cenoura, cebola e salsão para dar aquele gosto, junto com uma mistura de sal, pimenta e “poultry seasoning”, que e uma mistura de temperos específicos usados aqui nos USA para temperar Peru. Como acompanhamentos, teremos mashed potatos (Purezão com bastante alho e queijo), stuffing (que e uma mistura de croutons, bacon, salsão, cenoura, aipo, tudo super bem cortado e misturado), gravy (que pega todos os sucos do junto da panela do peru, com a cebola/cenoura/salsão de dentro e cozinha tudo, misturando caldo de galinha e um pouco de farinha para fazer um “Roux” e da consistência). Salada verde, green beans e claro, para os que gostam, geleia de cranberry, que para mim é uma coisa alien ainda!!!”

receita_peru_thanksgiving

A segunda parte fica com a Tamara (Tamy), que estudou comigo no colégio e teve a chance de conhecer o mundo com um programa de intercâmbio extenso vindo a se estabilizar nos Estados Unidos em Blacksburg, VA, para fazer o seu doutorado na Virginia Tech em Engenharia Mecânica. Ela e o marido passaram a ocasião na casa de amigos locais que fizerem uma ceia maravilhosa! O lance curioso é que fizeram um trote de 5 milhas para compensar as calorias do jantar!

thanksgiving_dalton_oh

Em seguida, a Taira é brasileira, paulistana mesmo, mas realizou essa tradição americana em terras tupiniquins. Tudo com uma aparência deliciosa, feito com o maior cuidado. O lance é que eu fiquei aqui sem nada de Thanksgiving passando vontade. Outra coisa justa e necessária de se falar sobre comida é paixão. Já cozinhou mal humorado? Brigado? Com pressa eu até consigo, mas se não tem um ingrediente especial de atenção no lance, eu pessoalmente acredito que desanda geral. Notem o capricho dessas pessoas no post! Não tem como não ficar animado, feliz, contente por dentro! Isso vai de encontro ao que falamos aqui no Manifesto do Comida Conecta.

Frase dela sobre a intenção deste jantar “Na verdade eu fiz o Thanksgiving aqui em casa mais pra mostrar pros meus colegas de trabalho (professores) como é! Eu morei 2 anos nos EUA e as vezes me bate uma nostalgia… e nada melhor do que matar saudade com comida!”

thanksgiving_brasilPor fim, temos uma mistureba do Bruno Battisttini, que trabalha em Charleston, SC, há quase dois anos e meio já. Amigo de looooonga data, é um onívoro de respeito. Além de contar com um sobrenome italiano de respeito (pessoal de São Bernardo do Campo conhece), a família dele produz vinho, cerveja e massa fresca TODO ANO! Tive algumas chances memoráveis de ir a vila de casas da família provar tudo isso (gente, massa nesse caso não é apenas um tipo…Tortelle, Capeletti, massa de Pizza, tudo home made). Bem, sobre o Thanksgiving, ele esteve com alguns amigos numa mistureba cultural mundial. Isso reforça cada vez mais o que falamos aqui, comer conecta, comida conecta. Saca Só:

thanksgiving_charleston

Logo menos entraremos em épocas festivas cheias de receitas, costumes e vontades! Sugere aqui embaixo se tiver alguma ideia de post! Muito obrigado a todos que nos ajudaram a escrever este post! Espero que tenham gostado! Até a próxima!

Comentários (0)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *